sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

POR QUE (NÃO) CELEBRAR O NATAL?


Jesus nasceu em 25 de dezembro? Esta não é uma pergunta para ser feita na noite de natal! Mas, é importante que saibamos: a resposta é não. Em nosso calendário Jesus teria nascido entre março e abril, o início da primavera no hemisfério norte. 

O calendário em vigor no Ocidente criado artificialmente, não corresponde exatamente à organização do tempo nas culturas judaica e romana. Até o século VI o calendário ocidental tomava como marco inicial a fundação de Roma. Em 526 d.C. o imperador romano do Oriente, Justiniano I, decidiu organizar um calendário original partindo do ano do nascimento de Jesus. Este foi chamado de Calendário de Dionízio. Em 1582 o papa Gregório XIII fez uma alteração. O mundo ocidental segue o calendário gregoriano.


Estas reformas e adaptações não corrigiram erros graves. Convivemos com diferenças que equivalem a períodos superiores a um anos. Parece confuso, mas, na verdade, Jesus nasceu entre os anos 7 a.C. e 3 a.C. Não vale a pena desprender energia com discussões em torno de datas. Jesus nasceu. Isto é um fato bíblico.


Não encontramos na Bíblia a menção do termo NATAL. No entanto, ela é enfática em sua defesa da importância histórica e teológica do nascimento de Cristo. Isso se conclui dos registros de eventos que cercaram o nascimento de Jesus: A adoração dos pastores (Lucas 2:8-12); as dádivas recebidas dos Magos (Mateus 2:1-11); o anuncio de paz e boa vontade dos anjos (Lucas 2:13 e 14).


Os apóstolos e os primeiros cristãos eram incomodados por outra pergunta: quando Jesus se tornara o Cristo? Depois da ressurreição? No batismo? O tempo passava e o interesse avançava da ressurreição para toda a vida de Jesus, inclusive seu natal. Assim, somente cerca de trinta anos após a ascensão do Senhor eles começaram a registrar o seu nascimento como Deus-Homem.


Os textos bíblicos que tratam do seu nascimento foram escritos depois de sua ascensão e são o resultado de um processo de descoberta. São fruto do amor que movia aqueles que o conheceram como Senhor e Salvador. O Espírito inspirava esta investigação e revelava o conhecimento da verdade. Os escritores sacros procuraram saber tudo, inclusive a origem. Chegaram então à revelação de que Jesus já nascera como Deus, pois era Deus encarnado. “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (João 1.1). Por isso, os evangelhos foram escritos com o objetivo de afirmar que Ele nasceu e viveu com Deus-Homem, sendo a salvação dos homens.


A data exata do advento sempre foi cercada de polêmica. A primeira comemoração do Natal de Jesus em 25 de dezembro deu-se entre 325 a 354 d.C. em Ro­ma, mediante o imperador Constantino. Até hoje a Igreja Ortodoxa observa o Natal em 6 de janeiro, e os cristãos armênios em 19 de janeiro.


No dia 25 de dezembro celebrava-se o renascimento Sol quando, no hemisfério norte, os dias começavam a ser mais longos. Era o solstício de inverno. Gradualmente a celebração do Natal foi assimilando vários costumes existentes nas nações que iam recebendo o Cristianismo. Muitos destes costumes, pagãos em origem, foram se transformando e, vencidos pelo Cristianismo, foram se enquadrando no espírito de Natal. O cristianismo não deixou de aprender com as diversas culturas que assimilava. Mas seu poder espiritual dava novo significado a costumes e festas.

O Natal é nossa demonstração de gratidão pelo ADVENTO daquele que veio salvar os pecadores. O Sol brilhou entre os homens. A verdadeira Luz traz vida a todos. O natal é uma celebração. Deixar de festejar com o coração por que a mente não resolve um problema de calendário é reduzir o mistério da encarnação em seu significado transcendente.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

O PAPEL DECISIVO DO PASTOR NA OBRA MISSIONÁRIA



*Publicado originalmente na Revista Missões Estaduais 2012 da Convenção Batista Baiana


O pastor, por ser o líder principal da igreja, exerce um papel decisivo na mobilização para a obra missionária. Missões precisa de missionários nos campos e pastores nas igrejas locais. E quando tratamos de uma campanha, sua atuação é decisiva em todo o processo para MOTIVAR, ENVOLVER e AVALIAR.

MOTIVAÇÃO. O pastor é motivado quando encontra motivo na teologia bíblica de missões que lhe apresenta Deus como missionário. Estar em missão com Deus leva o pastor a motivar a igreja com essa compreensão, principalmente através do púlpito. O pastor deve soltar a voz com energia e convocar o povo, desafiar para maior compromisso na intercessão, contribuição e ação. A palavra do pastor tem peso, por outro lado, seu silêncio pode esmagar qualquer campanha. A motivação começa com pregação contextualizada, estudos consistentes, aconselhamento e oração.

ENVOLVIMENTO. Discurso sem prática esvazia-se depressa e torna-se desmotivador. O pastor precisa envolver-se. Numa campanha missionária o pastor não pode ser passivo, distante, burocrático. Deve ir às ruas, abrir a carteira, dobrar os joelhos. Ser modelo para a igreja, sobretudo para a juventude.

AVALIAÇÃO. Amadurecimento exige avaliação constante. Precisamos aprender para evitar a repetição de erros. O alcance do alvo financeiro, por exemplo, não significa necessariamente sucesso. O crescimento no levantamento da oferta deve vir acompanhado de maturidade espiritual, envolvimento no evangelismo, despertamento de vocações. O pastor deve administrar o tempo de tal forma que lhe seja possível motivar falando, dar exemplo fazendo e levar a igreja a aprender avaliando para criar uma “memória missionária”.

No entanto, esse papel do pastor só será bem desempenhado se ele for coadjuvante do Espírito Santo, o único que de fato poderá motivar a igreja envolvendo-a com a expansão do Reino de Deus. Ele sonda nossos corações e avalia a todo instante nosso compromisso com a obra missionária.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

SITES SOBRE TEOLOGIA E PESQUISA BÍBLICA

Novo Testamento em geral

http://www.ntgateway.com/index.html
http://faculty.smu.edu/dbinder/resources.html
http://www.animabit.de/bibel
http://www.ntgatway.com/multibib.htm

sexta-feira, 15 de julho de 2011

PIB EM CATU COMEMORA 88 ANOS


Aos 88 anos, a Primeira Igreja Batista em Catu-BA caminha para a última década do seu primeiro centenário servindo ao Deus Eterno. Fruto do trabalho missionário da Primeira Igreja Batista do Brasil, no ministério do Pr. Coriolano Dulclerc, foi a segunda igreja cristã organizada neste município baiano, em 29 de junho de 1923, título reconhecido pela Câmara de Vereadores em 1999. A PIB em Catu-BA é a primeira igreja batista organizada na região metropolitana de Salvador.

A igreja experimentou seu maior crescimento no ministério do Pr. Lourival Bastos de Azevedo, seu primeiro pastor efetivo, que a encontrou com 12 membros idosos e a conduziu durante 40 profícuos anos, contando hoje com mais de 350 membros. A mesma mantém uma escola batista na cidade com 240 alunos e é, reconhecidamente, uma igreja missionária e responsável socialmente, com 05 extensões e 09 de seus membros efetivados no quadro de missionários da denominação.

Por isso a igreja reuniu-se com tanta motivação para celebrar o que Deus tem feito nestes 88 anos. O maior motivo de alegria para os presentes nas comemorações do seu 88º aniversário foi a oportunidade de crescimento espiritual e evangelístico. Reunida de 05 a 10 de julho, a igreja viveu uma semana abençoadora enquanto se preparava para as conferências evangelísticas. Pregaram nesse período o seminarista Jairo Cerqueira, vice-presidente, Pr. Lourival Bastos de Azevedo, pastor-emérito e o Pr. Eber Mesquita de Azevedo, que substituiu o pai, no ministério da igreja (2005 - 2010), e atualmente é o Coordenador da Junta de Missões Nacionais para Bahia e Sergipe. No final de semana (09 e 10.07) o templo recebeu mais de 220 pessoas não-crentes. Elas foram confrontadas com a mensagem do evangelho através do Pr. Iran Fábio Alves, orador oficial, e missionário de Missões Nacionais em Patos de Minas-MG. A irmã Dayse Alves, sua esposa e também missionária, ficou responsável pela conferência infantil. O casal tem sua origem e formação na igreja e reviveu as melhores lembranças com familiares e amigos que permanecem na cidade.

É maravilhoso testemunhar uma igreja unida e motivada produzindo frutos para o reino de Deus. Na noite do domingo (10.07), cerca 600 pessoas estavam presentes. Para isso, um exército de voluntários vestiu a camisa e trabalhou incansavelmente. Além disso, mais de 10 pessoas fizeram uma decisão por Cristo e estão sendo acompanhadas espiritualmente. Ao final, o sentimento geral era de gratidão a Deus, porque em mais uma jornada a igreja mostrou seu potencial para expandir a causa do evangelho desfrutando da presença poderosa de Deus.

Essas conquistas tornaram-se possíveis pela consciência de que Deus trabalha até agora e a igreja trabalha também (João 5.17) e roga ao Senhor da Seara que mande trabalhadores (Mateus 9.35).

Foi o primeiro aniversário da igreja comemorado no ministério do Pr. Petronio Almeida Borges Júnior, empossado em 15 de janeiro último, que resume o sentimento de todos assim: “Estamos diante de uma igreja forte e aguerrida que revelou seu potencial como agencia do reino de Deus em Catu. Mas o trabalho está apenas começando e a responsabilidade é grande. Não há mérito em cumprirmos nosso dever. Mas cremos que a sinergia com o poder do Espírito Santo nos conduzirá em dependência e submissão. Vamos fazer cada vez melhor o que estiver ao nosso alcance esperando que Deus faça o que nos é impossível - a transformação de vidas”.


sábado, 11 de junho de 2011

PIB EM CATU REALIZA DEBATE SOBRE BIOÉTICA


A PIB CATU realizou no último sábado (04/06) um debate sobre Bioética nas áreas científica, jurídica e teológica. O evento faz parte da implantação do CCL - PÓLO CATU - Curso de Capacitação de Líderes realizado pela OPBB-BA-RMS - Ordem dos Pastores Batistas do Brasil na região metropolitana de Salvador. A PIB CATU é a sede do PÓLO III que abrange Catu, Pojuca e São Sebastião do Passé.

O debate teve a mediação do Pr. Petronio Borges, pastor da igreja e coordenador do pólo, que expôs a visão bíblico-teológica. O tema foi discutido com alunos em potencial e contou com a participação do Dr. Linsmar Dantas, médico gastroenterologista (UFBA), membro da igreja, apresentando a abordagem científica e do Pr. Lourival Azevedo, pastor emérito da PIB CATU, advogado militante (OAB), expondo o ponto de vista jurídico.

A repercussão foi positiva e motivou os presentes a confirmarem suas matrículas no CCL que iniciará suas aulas regulares no dia 09 de julho (sábado - 09/07).

A bioética representa um desafio para a igreja local que deve ter seus líderes preparados para a discussão. pois envolve opiniões divergentes inclusive nas religiões. A Bíblia revela Deus com Senhor absoluto sobre a vida e a morte e estabelecendo limites que o homem não pode ultrapassar. Deus é Criador. O homem é criatura. No entanto, se reconhecemos a beneficência na ciência sobre a saúde, por exemplo, como afirmar a fé diante de avanços que transpõem limites mas trazem benefícios inquestionáveis?

Questões como estas foram discutidas e outros temas serão abordados nos encontros preparatórios do CCL - PÓLO CATU dias 11 e 18 de junho às 15:00 na secretaria da PIB CATU. Aguardamos você. Aguardem novas notícias.