quarta-feira, 29 de junho de 2016

CIDADÃO CATUENSE - DISCURSO DE AGRADECIMENTO


Excelentíssimo Senhor Marinildo Alves Vasconcelos, presidente da Câmara Municipal de Catu-Ba, em nome de quem cumprimento os demais vereadores.
Excelentíssimo Senhor Geranilson Requião, prefeito da cidade de Catu-Ba, que completa hoje 148 anos de emancipação política.

Demais autoridades presentes ou representadas.

Dirijo meu agradecimento primeiramente a Deus, a quem é devida toda honra e louvor, para sempre, pois somente Ele é perfeito e poderoso, e apesar da glória que lhe é devida, se digna em escolher, no meio do seu povo, servos a quem concede o privilégio de ministrar a sua Santa Palavra.

Agradeço ao Vereador Eneias Medeiros, proponente do meu nome para receber o título que hoje me é outorgado por esta Casa bem como a todos os vereadores por terem aprovado a proposta. Como membro da Primeira Igreja Batista em Catu, o irmão Enéias, juntamente com seu pai, irmão Eliseu Medeiros, certamente teve sua generosidade motivada por conhecer o ministério da igreja e saber que foi como seu pastor que estabeleci o meu vínculo com o município e que se não fosse pelo pastorado nela exercido, dificilmente seria alvo deste reconhecimento.

Receber o título de “Cidadão Catuense” é motivo de alegria e honra. No entanto, como cidadão comum, que apenas procura cumprir seus compromissos e viver com dignidade, não estou nem um palmo sequer acima do valor pessoal de cada um aqui. Não tenho laços de sangue nem sobrenome tradicional. Sem nenhuma falsa modéstia, o mérito não está na pessoa e sim no ministério.

Foi pela vocação divina para o Santo Ministério da Palavra que cheguei na cidade para pastorear a PIBCATU. A PIBCATU foi a primeira igreja protestante a ser plantada da cidade, fato que já foi reconhecido oficialmente pelo poder legislativo local. Esse pioneirismo acompanhado da fidelidade histórica aos princípios de sua fundação permite que aquele que a pastoreie, ganhe destaque na vida social do município

Vejo nesta oportunidade uma coincidência que preciso registrar. Minha ordenação ao ministério pastoral também se deu em um mês de junho (21), no ano de 2003. Comemorei também nesta semana treze (13) anos como pastor formalmente ordenado.

Nasci na cidade de Gandu-Ba, sou ganduense de nascimento. Vive em Itamari-Ba até os quatorze (14) anos, mas não sou itamariense. Mudei-me para Jaguaquara-Ba estudar, casei-me com uma jaguaquarense, mas não me tornei cidadão daquela cidade. De lá fui enviado ao Seminário em Feira de Santana-Ba, mas não sou feirense. Depois de formado, morei em Camaçari-Ba para iniciar o ministério, mão não sou camaçariense. Agora, sou reconhecido como “cidadão catuense”.

Cheguei em Catu-Ba no dia 03/01/2011 depois de tomar posse, em 19/12/2010, como presidente da Primeira Igreja Batista em Catu, mantenedora do Colégio Batista de Catu. A PIBCATU completará no próximo dia 29 deste mês, outra coincidência digna de nota, seus 93 anos, comprometida com o ensino da Bíblia, fervorosa na obra missionária e relevante socialmente.

Transfiro a cada membro e congregado da PIBCATU esta homenagem por considerar que é Deus, o Supremo Pastor do seu povo, quem dá pastores segundo o seu coração. Em Jeremias 3:15, lemos: “e vos darei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência”.

O pastorado deve ser exercido com “ciência e inteligência”. Ciência é conhecimento adquirido com esforço. Inteligência pode ser sinônimo de sabedoria. Um pastor recebe sabedoria de Deus, mas desenvolve seu conhecimento através da busca pessoal. Gosto de pensar que o pastor precisa pastorear “com ciência” e também deve ter consciência. Consciência de Deus e de si, consciência da missão pastoral. Creio que a função pastoral é a única capaz de cuidar do ser humano em sua integralidade, derivando daí sua importância para a comunidade. Procuro ter esta consciência diante da homenagem que recebo desta Casa de Leis.

Ao finalizar, destaco a importância da família tanto na minha vida como no ministério que desempenho.

Agradeço a minha esposa, Anamaria, que neste momento está cuidando na nossa segunda filha, Poliana, com apenas 16 dias.

Agradeço à nossa primeira filha, Mariana, cujo brilhos nos olhos é um sinal diário da graça de Deus em nossa família.

Agradeço aos meus pais, Petronio e ‘Nide’, pelo amor e dedicação em todo o tempo, sendo uma prova do cuidado de Deus para comigo.

Agradeço às ovelhas, aos amigos.

Agradeço a todos os presentes,

Deus continue abençoando cada um de vocês.

Muito obrigado.

sábado, 25 de junho de 2016

TÍTULO DE CIDADÃO CATUENSE


Ao tempo em que agradeço pela homenagem a mim concedida pela Câmara Municipal de Catu-Ba, atribuo automaticamente a honra do título recebido à Primeira Igreja Batista.
O meu vínculo com a cidade se estabeleceu a partir da posse no pastorado da igreja e a oportunidade de exercer nela minha vocação permitiu que tão cedo, menos de seis (06) anos, me fosse outorgado.
A PIBCATU, como primeira igreja protestante do município bem como sua penetração na vida social da cidade através da presença de seus membros em diversos seguimentos, leva o seu ministério pastoral ao reconhecimento da sociedade local.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

A IMPORTÂNCIA DE SONHAR

"Teve José um sonho, que contou a seus irmãos; por isso o odiaram ainda mais". (Gênesis 37:5)

Os sonhos tiveram uma importância essencial na vida de José do Egito. Mas os filhos de Jacó ficaram furiosos quando seu irmão mais novo anunciou que governaria sobre a família. Ele já havia sido favorecido pelo pai como um príncipe. Agora, seus irmãos estavam prontos para explodir de inveja e ódio assassino por tamanha audácia do menino. Mas aquela atitude poderia ser apenas fruto de imaturidade adolescente diante da providência divina. Sonho é o desejo de ter ou realizar, projetar um futuro melhor. Mas a visão de um futuro preferível, uma perspectiva de avanço pessoal, sempre gera algum tipo de oposição. Quem sonha torna-se alvo de inveja, ódio e até violência. Nem por isso deve deixar de sonhar. O mais importante é avaliar a motivação, se o projeto de vida almejado não é um reflexo da cultura de prosperidade e prazer, preso a uma competição irracional diante de um mundo regido pelo desempenho, a resposta social e os resultados materiais. Quem sonha orientado por Deus não deseja o que todos querem. Deus tem planos para nós e devemos submeter nossos sonhos ao que Deus planejou crendo em sua providência e confiando na promessa de que não estaremos sozinhos no caminho para realizar. Quando o sonho é aprovado a realização é dele.