Pular para o conteúdo principal

A PARTICIPAÇÃO DA IGREJA NAS ELEIÇÕES

O cristão, em busca de um posicionamento político coerente, deve estar atento a determinadas advertências. A começar pela consideração da eleição como um assunto sério. A negligência do eleitor é escada para políticos oportunistas. Não votar, votar em branco, votar porque o candidato é mais bonito ou porque sua música empolga mais é, no mínimo, brincar com fogo. 

Eleição também é oportunidade de santificação, combate ao pecado. Vender ou comprar voto, além de crime eleitoral é pecado. Isso deve nos causar iracúndia sagrada, pois é a principal causa da perpetuação da corrupção. A atitude dos santos no mundo deve ser crítica, de suspeita. Principalmente diante do histórico do candidato, das alianças, da família, e de quem financia a candidatura. Votar com consciência é exercer, além de um direito político, um princípio protestante (e batista): a liberdade do indivíduo. 

Toda eleição é alvo de truques e conchavos políticos e quem paga a conta no final é sempre o eleitor. Evitemos a condição de massa de manobra. O caminho mais curto para a manipulação é a confiança em políticos profissionais no poder durante anos, favorecendo apenas a parentes e correligionários. Por isso, fiquemos de olho nos grupos políticos hegemônicos. 

A igreja deve resistir à tentação dos interesses políticos partidários. Inclusive se o apoio ou indicação tratar-se de um irmão na fé. A Ideologia de que “irmão vota em irmão” precisa ser avaliada com senso crítico. Se o irmão tem vocação política, como homens e mulheres de Deus na Bíblia o tiveram, deve fazer vingar sua candidatura não porque é cristão ou membro da igreja, mas com um discurso de cunho político, sem mistura com eventos religiosos, usados como comícios. 

O pastor precisa zelar pela liberdade política dos membros da sua igreja. Quando o pastor assume uma posição político-partidária a liberdade da igreja está ameaçada. Quando um líder vende seu voto e vende a sua igreja, ambos estão desonrando a Deus que a constituiu livre e responsável. Se um pastor ou membro de igreja deseja participar de um pleito eleitoral, tem o direito garantido por Deus e pela constituição. Mas usar o nome de Deus, da igreja ou da fé para se beneficiar é agir como infiel. Ademais, negará o princípio da absoluta liberdade de consciência de cada indivíduo pertencente à comunidade local.

Postagens mais visitadas deste blog

CONVITE PARA POSSE

CENTENÁRIO DA PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM DIVINÓPOLIS

Texto e Direção: 
Pr. Tarcísio Farias Guimarães
Locução: 
Pr. Petrônio Almeida Borges Júnior
Em 1919, Divinópolis ainda era uma pequena cidade em busca de desenvolvimento. A estrada de ferro trazia para a terra do Itapecerica pessoas que, somadas à população local, trabalhavam para sustentar suas famílias e contribuir com a estruturação da recém-emancipada cidade do Oeste Mineiro. A cidade contava apenas 7 anos de história quando testemunhou o início de uma outra bela história: a organização da Igreja Batista de Divinópolis, no dia 27 de Julho de 1919, resultante do trabalho de irmãos que aqui se instalaram nos anos anteriores e formaram a Congregação da Primeira Igreja Batista de Belo Horizonte. 

Os 31 membros que escreveram as primeiras páginas da história da nossa Igreja foram usados por Deus para espalhar a semente do Evangelho nos corações daqueles que estavam à sua volta. Cumpre-se na história centenária da Primeira Igreja Batista em Divinópolis o que está escrito em Eclesiastes, cap…