sexta-feira, 23 de junho de 2017

O EVANGELHO ALÉM DAS GRADES

Jesus foi perseguido, preso, julgado injustamente e condenado à morte de cruz. Junto com ele foram executados dois ladrões. Esse é um fato de relevo na história da salvação por ter sido profetizado por Isaías: “porquanto derramou a sua alma até a morte, e foi contado com os transgressores; mas ele levou sobre si o pecado de muitos, e pelos transgressores intercedeu” (ISAÍAS 53:12b). Enquanto um deles escarnecia, o outro caiu em si, quebrantou-se pelos seus pecados e clamou por salvação: “Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino”. Imediatamente Jesus prometeu: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso” (LUCAS 23:42-43). Assim, um condenado foi efetivamente a primeira pessoa salva pelo plano de Deus em Cristo.

Se a cruz não foi capaz de conter a graça de Deus, muito menos as grades o serão. Dos mais de 700 mil presidiários do Brasil, muitos estão com os corações receptivos ao Evangelho, que é “o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crer” (ROMANOS 1:16). Obviamente não serão salvos pelo simples fato de estarem privados de liberdade. Platão advogava a necessidade de um “sofromistério”, casa em que os homens tomavam juízo. A tradição católica da penitência, disciplina imposta para expiação de pecados, criou a mentalidade da “penitenciária” como lugar onde pecadores são regenerados. Mas, pensando biblicamente, a salvação é recebida pelo arrependido e crente de coração, que respondeu à ação de convencimento do Espírito Santo. “Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo” (ROMANOS 10:9).

Este é o fundamento bíblico para a evangelização de presidiários. Para serem salvos eles precisam clamar ao Salvador em quem precisam crer. Mas, “e como crerão naquele de quem não ouviram falar? e como ouvirão, se não há quem pregue?” (ROMANOS 10:14). Mesmo o Estado, que é laico, reconhece a importância da presença religiosa nos presídios. A Constituição Federal garante o direito à assistência religiosa. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais considera como fator imprescindível para a ressocialização. Diante deste reconhecimento secular, a Igreja de Cristo, deve ir além dos recursos jurídicos, psicológicos e educacionais, proclamando a verdadeira liberdade em Cristo. Quem tem a oportunidade de adentrar aos portões de um presídio pode constatar que aquele lugar representa o limite da capacidade de recuperação que a sociedade pode oferecer. Mas, a Palavra de Deus pode romper as prisões do coração e libertar da escravidão do pecado, origem de toda maldade e violência.

A Primeira Igreja Batista em Divinópolis-MG crê e pratica esta verdade bíblica. Mantém há seis anos 06 anos a Congregação Batista da Liberdade, no Presídio Estadual Floramar, tendo batizado dezenas de presos e realizando semanalmente cultos evangelísticos. A equipe atual (07 membros) está convicta de que recebe de Deus o amor suficiente para continuar firme neste propósito. O sentimento ao estar presente em cada pavilhão é que o lado da grade em que estamos é a única diferença entre pecadores. Precisamos de mais voluntários para ampliação das ações ministeriais entre os funcionários da instituição, a assistência a familiares, o apoio na recuperação de dependentes químicos. Se você tem buscado um ministério para envolver-se na igreja e sente-se chamado para a evangelização de presidiários, junte-se a nós ajude a levar o Evangelho para além das grades.

sábado, 17 de junho de 2017

ANOTAÇÕES CRÍTICAS SOBRE GERHARD VON HAD

A discussão sobre fé e história dentro dos estudos teológicos deverão obrigatoriamente reservar um espaço para Gerhard von Rad (1901-1971). Este teólogo luterano alemão desenvolveu a abordagem da “tradição histórica” para o Antigo Testamento. Ele procurou aplicar a categoria de Heilsgeschichte (“História da Salvação”, a escola teológica de Oscar Cullmann) para a Bíblia Hebraica esforçando-se para ligar as diferentes tradições bíblicas em uma forma coerente.

Seu ponto de partida baseia-se em uma análise de pequenos credos recitados liturgicamente em determinadas festas (Como em Dt. 26. 5-9; 6, 20-24 e Js. 24. 1-13) que constituiriam a articulação teológica mais primitiva e mais característica de Israel. Estas confissões de fé aludem às tradições essenciais que compõem o quadro Gênesis-Josué (patriarcas, êxodo, peregrinação no deserto, a conquista).

Von Rad entendia a Teologia de Israel como uma interpretação narrativa do que havia ocorrido no passado de Israel, uma narração que, todavia, possui força decisiva para as gerações futuras. Por essa compreensão, a Teologia do Antigo Testamento seria o resultado de um processo contínuo de “tradição”, em que cada sucessiva geração israelita recita o relato, mas o faz incorporando novos materiais e reformulando, de maneira que o antigo relato pode seguir sendo pertinente para as novas circunstâncias e as novas crises. A Bíblia teria surgido, assim, da prática da adoração, como testemunho. Cada geração adaptava e estendia essas tradições aplicando-as a novas circunstâncias históricas.

No Antigo Testamento não haveria “bruta facta” em absoluto e sim interpretação de fé. Gerhard Von Rad elaborou esse argumento quando contrastou as versões da história de Israel de acordo com a pesquisa crítica moderna e aquela definida pela fé de Israel. A experiência de fé do narrador é histórica e seus relatos são fundamentados numa história real. Mesmo que a sequência dos relatos não coincida com o quadro organizado pelo conhecimento histórico na perspectiva científica, isso não contraria a realidade da revelação divina. O fato estaria localizado no agir de Deus ainda que não seja possível saber como.

Apesar da valorização da confissão de fé, que representa um referencial indispensável para a teologia, Von Rad exagerou na ênfase das declarações querigmáticas de Israel desprezando a historicidade dos fatos que as geraram. Mas, sem dúvida, sua insistência em que a Bíblia Hebraica seja entendida no contexto da vida religiosa do Antigo Israel afirmou-se como uma contribuição decisiva para os estudos posteriores.

Von Rad acabou por negar o fundamento histórico da confissão de fé que Israel. Para ele não havia qualquer relação entre a crença pregada por Israel e a realidade objetiva da sua história como povo. Dessa forma, o Antigo Testamento passa a ser uma narrativa religiosa, um emaranhado de confissões de fé que compõe a história de uma religião.


REFERÊNCIAS

SCHMIDT, Werner H. Introdução ao Antigo testamento. São Leopoldo, RS: Sinodal, 1994.

HASEL, Gerhard F. Teologia do Antigo Testamento: questões fundamentais no debate atual. Rio de Janeiro, RJ: JUERP, 1992, 121 p.

RELAÇÃO ENTRE FÉ E HISTÓRIA NA TEOLOGIA

A relação entre fé e história na Teologia é uma questão fundamental. Sem considerar a fé, o teólogo reduz a teologia a uma filosofia e, deixando de considerar a história, ele perde sua credibilidade.

Segundo Gerhard F. Hasel em sua Teologia do Antigo Testamento, “Deus agiu na história”. Este é um fato, ao mesmo tempo, histórico e doutrinário. A literatura do Antigo Testamento registra uma interpretação de acontecimentos reais, representando parcial ou exageradamente o significado do evento. Segue-se assim a distinção entre dicta, declarações bíblicas, e facta, fatos históricos. A Bíblia não faz separação. Dicta depende de facta. O objeto de uma teologia bíblica é facta dicta.

O conhecimento da História é racional e está limitado à dimensão temporal-espacial. Por outro lado, o conhecimento da fé, no dizer do Dr. Merval Rosa, é transracional, nem racional nem irracional, não sendo determinada por eventos históricos, mas por Deus, o “Senhor da História”. Esse pressuposto levava os autores do Antigo Testamento a utilizar tradições que consideravam históricas porque, para eles, fato e interpretação formavam uma unidade. Estavam convencidos da veracidade do que ocorrera e por isso afirmavam sua doutrina.

A confiança na veracidade do acontecimento testemunhado pressupõe o ato de fé a ser declarado bem como seu conteúdo. Deus está se revelando na história e o contexto dessa revelação cria a tradição posteriormente fixada por escrito. O significado original da intervenção de Deus na História está no contexto de sua ocorrência, base da tradição a ser transmitida.

Enquanto o Método Histórico-Crítico propõe uma teologia que seja meramente “linguagem dos fatos”, a Teologia do Antigo Testamento (inerente à literatura) apresenta o “fato da linguagem” que mantém a unidade entre evento e palavra. Mesmo que a operação de Deus na História de Israel não esteja limitada a fatos – bruta facta.

Hasel conclui propondo que o método adequado para a Teologia do Antigo Testamento deve partir do pressuposto de Deus agindo na História de Israel. Será necessário também considerar a transmissão das suas confissões como fruto de uma concepção da realidade integral que preserva a unidade entre fato e significado.

CONCEITO DE TEOLOGIA

Em postagem anterior defendi que o pastor deve estudar teologia. Agora convido o leitor a continuar a reflexão na tentativa de definirmos o que é teologia e por que existem várias teologias. Para estudar teologia o pastor deverá aprender a definir conceitos e exercitar-se na caracterização das diversas variações do fazer teológico.

A palavra "teologia" é de origem grega e constituída de dois termos específicos: 'teo', Deus, e 'logia', estudo. Uma tradução literal comunica simplesmente “o estudo de Deus”. Ficar apenas nessa explicação é reduzir o sentido e gerar uma definição que inviabiliza a estruturação da teologia enquanto ciência.

Uma vez que Deus não pode ser objeto de investigação científica, a pesquisa teológica deve ser direcionada para a fé em Deus. Esta fé está fundamentada na revelação de Deus registrada nas Escrituras, espelhada na personalidade humana e experimentada na historia da igreja. A teologia, portanto, em sua acepção cristã, é o estudo da revelação que Deus fez de si mesmo, conforme registrada das Escrituras Sagradas, centrada na pessoa de Cristo, compreendida a partir da fé e relacionada com a experiência histórica da Igreja e o contexto atual.

Assim a teologia pode se posicionar academicamente ao lado das ciências humanas para estudar o fenômeno religioso. Deve ser considerada, no entanto, a diferença principal entre estas áreas do conhecimento. Merval Rosa propõe que essa diferenciação está no ponto de partida. A Teologia parte da fé, a Filosofia, da razão, e as Ciências da Natureza, da experiência empírica.
Ter a fé como instrumento não faz a teologia ser irracional. Ocorre que o fazer teológico não pode ser enquadrado na categoria da razão. A teologia é trans-racional (para repetir as palavras e Merval Rosa). Usa a razão à luz da fé, usa a fé como uma referência que transcende a razão, um ponto fora da circunferência. No cristianismo, a definição clássica de teologia foi apresentada por Agostinho: “theologia est fides quaerens intellectum”, teologia é a fé que procura compreender a si mesma e fazer-se compreender pelos outros.