sexta-feira, 7 de abril de 2017

A MISSÃO EDUCACIONAL DA IGREJA

O imperativo de Cristo no comissionamento dos apóstolos foi “fazei discípulos” (Mt 28:19). No cumprimento desta missão fundamental a ação de “ensinar” deve ser contínua e abrangente. O ensino está entre as funções básicas da igreja ao lado do culto a Deus, do anúncio das Boas Novas, da ministração às necessidades humanas. Além disso, essas outras áreas de atuação da igreja também recebem implicações educacionais. Para o culto, na oração, na música, na pregação. Para a evangelização, no processo de comunicação. Para o serviço social cristão, na aprendizagem prática do testemunho eficaz.

Quando refletimos sobre a missão educacional da igreja, chegamos inevitavelmente a uma constatação: o ensino bíblico tem sido negligenciado ou reduzido na história da igreja em nosso país. Por parte dos católicos, essa missão foi negligenciada e contaminada desde sua origem com interesses políticos ou dogmas de uma tradição antibíblica. Já das primeiras missões protestantes pode ser dito que, por várias razões, reduziram a tarefa evangelizadora a uma ênfase conversionista, priorizando apenas o evento inicial da caminhada cristã, a conversão, sem contudo, investir na mesma medida para o desenvolvimento necessário no pós-batismo. Nossa teologia, nossas práticas eclesiásticas e litúrgicas foram construídas com o foco na salvação. Ganhamos em missões. Mas perdemos na formação de vidas e na prática da integralidade do evangelho.

Deus nos criou com um sentido completo para a vida. A salvação não se resume a uma espécie de apólice de seguros contra o fogo do inferno. A Bíblia não endossa esse desvio de propósito, pelo contrário, corrige-o. Através do profeta Isaías, Deus conclama o povo: “a todo aquele que é chamado pelo meu nome, e que criei para minha glória, e que formei e fiz” (Is 43.7). Depois do pecado, um estilo de vida contrário ao plano de Deus, marcado pela rebeldia e desobediência, o homem experimentou a queda, sendo “destituído da glória de Deus” (Rm 3.23). Mas, pela obra redentora da cruz, foi reconciliado com Deus, sendo restaurado integralmente e reorientado para a glória de Deus. O propósito da nova vida em Cristo não pode ser resumido em escapar do inferno, mas viver com qualidade e esperança. Por isso, a igreja não é uma opção ou alternativa, é a agência de Deus, a sua plataforma de relacionamento e comunicação com o povo, o ambiente onde cada salvo desenvolve a nova vida em Cristo crescendo “de glória em glória” (2 Co 3:18).

As pessoas nascem com a capacidade de se desenvolverem física, psicológica, social e espiritualmente. A missão educacional da igreja é um ministério entre pessoas com o alvo de conduzi-las em um processo de desenvolvimento que tem a pessoa de Cristo como medida. Projetando esse crescimento na linha do tempo, começamos com a conversão mas também devemos pensar na integração da pessoa convertida a Cristo para a tornar-se um membro ativo e dedicado de uma igreja. Esse novo membro aprenderá a fazer do culto uma parte constante e vital da sua experiência. Para tanto, ele será instruído biblicamente na fé e na conduta. Espera-se que neste estágio ele já demonstre com as atitudes uma consciência de valores cristãos. E, por fim, tendo desenvolvido hábitos e habilidades cristãs, investir seus talentos e recursos no serviço a outros irmãos e ao mundo em sua volta.