Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2017

CENTENÁRIO DA PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM DIVINÓPOLIS

Texto e Direção: 
Pr. Tarcísio Farias Guimarães
Locução: 
Pr. Petrônio Almeida Borges Júnior
Em 1919, Divinópolis ainda era uma pequena cidade em busca de desenvolvimento. A estrada de ferro trazia para a terra do Itapecerica pessoas que, somadas à população local, trabalhavam para sustentar suas famílias e contribuir com a estruturação da recém-emancipada cidade do Oeste Mineiro. A cidade contava apenas 7 anos de história quando testemunhou o início de uma outra bela história: a organização da Igreja Batista de Divinópolis, no dia 27 de Julho de 1919, resultante do trabalho de irmãos que aqui se instalaram nos anos anteriores e formaram a Congregação da Primeira Igreja Batista de Belo Horizonte. 

Os 31 membros que escreveram as primeiras páginas da história da nossa Igreja foram usados por Deus para espalhar a semente do Evangelho nos corações daqueles que estavam à sua volta. Cumpre-se na história centenária da Primeira Igreja Batista em Divinópolis o que está escrito em Eclesiastes, cap…

A TEOLOGIA DE MARIA

Maria, mãe de Jesus, é pouco conhecida como salmista. Mas devemos lembrar que depois do anúncio da sua concepção virginal feito pelo anjo Gabriel, ela foi à casa de Isabel, sua parenta, e cantou um hino. Escolhida como a mãe do Salvador, obedeceu à vontade de Deus declarando: “Sou serva do Senhor, que aconteça conforme a tua palavra.” (LUCAS 1:35). O Magnificat, composto por Maria, é o cântico que melhor traduz a esperança messiânica de Israel no tempo do nascimento de Jesus. “Então, disse Maria: A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador, porque contemplou na humildade da sua serva.” (LUCAS 1:46-47).

Na continuidade deste salmo conhecemos a “Teologia de Maria” sobre a misericórdia de Deus que revela seu ser agir na história para a salvação da humanidade. “Pois, desde agora, todas as gerações me considerarão bem-aventurada, porque o Poderoso me fez grandes coisas. Santo é o seu nome. A sua misericórdia vai de geração em geração sobre os que o …

CEIA DO SENHOR - CELEBRANDO O MEMORIAL

O Batismo e a Ceia comunicam o fundamento da Igreja Cristã de modo que se fossem seus únicos atos litúrgicos nada mais era necessário acrescentar em conteúdo e expressão. São as duas Ordenanças do Senhor, mandamentos específicos para serem cumpridos de forma ritual com objetivo de comunicar uma mensagem. Possuem natureza simbólica e são diferentes de sacramentos. A celebração das ordenanças deve zelar pela reflexão e crítica a todas as formas de prática sacramental e sacerdotal.

Em postagem anterior já respondemos à pergunta sobre QUEM PODE SER BATIZADO. Agora perguntamos: qual o significado da Ceia do Senhor?

A Ceia do Senhor é um memorial da morte de Cristo e ao mesmo tempo o seu anúncio. Com a Ceia a igreja comemora e comunica a entrega do corpo e do sangue para nossa vitória sobre a morte. Para os cristãos primitivos o Batismo era o símbolo do início da vitória que o crente alcançara em Cristo; a Ceia era a manifestação dessa vitória. No culto dos dias de hoje deve ser cel…

O EVANGELHO ALÉM DAS GRADES

Jesus foi perseguido, preso, julgado injustamente e condenado à morte de cruz. Junto com ele foram executados dois ladrões. Esse é um fato de relevo na história da salvação por ter sido profetizado por Isaías: “porquanto derramou a sua alma até a morte, e foi contado com os transgressores; mas ele levou sobre si o pecado de muitos, e pelos transgressores intercedeu” (ISAÍAS 53:12b). Enquanto um deles escarnecia, o outro caiu em si, quebrantou-se pelos seus pecados e clamou por salvação: “Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino”. Imediatamente Jesus prometeu: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso” (LUCAS 23:42-43). Assim, um condenado foi efetivamente a primeira pessoa salva pelo plano de Deus em Cristo.

Se a cruz não foi capaz de conter a graça de Deus, muito menos as grades o serão. Dos mais de 700 mil presidiários do Brasil, muitos estão com os corações receptivos ao Evangelho, que é “o poder de Deus para a salvação de todo aquele que c…

ANOTAÇÕES CRÍTICAS SOBRE GERHARD VON HAD

A discussão sobre fé e história dentro dos estudos teológicos deverão obrigatoriamente reservar um espaço para Gerhard von Rad (1901-1971). Este teólogo luterano alemão desenvolveu a abordagem da “tradição histórica” para o Antigo Testamento. Ele procurou aplicar a categoria de Heilsgeschichte (“História da Salvação”, a escola teológica de Oscar Cullmann) para a Bíblia Hebraica esforçando-se para ligar as diferentes tradições bíblicas em uma forma coerente.

Seu ponto de partida baseia-se em uma análise de pequenos credos recitados liturgicamente em determinadas festas (Como em Dt. 26. 5-9; 6, 20-24 e Js. 24. 1-13) que constituiriam a articulação teológica mais primitiva e mais característica de Israel. Estas confissões de fé aludem às tradições essenciais que compõem o quadro Gênesis-Josué (patriarcas, êxodo, peregrinação no deserto, a conquista).

Von Rad entendia a Teologia de Israel como uma interpretação narrativa do que havia ocorrido no passado de Israel, uma narração que, todavi…

RELAÇÃO ENTRE FÉ E HISTÓRIA NA TEOLOGIA

A relação entre fé e história na Teologia é uma questão fundamental. Sem considerar a fé, o teólogo reduz a teologia a uma filosofia e, deixando de considerar a história, ele perde sua credibilidade.
Segundo Gerhard F. Hasel em sua Teologia do Antigo Testamento, “Deus agiu na história”. Este é um fato, ao mesmo tempo, histórico e doutrinário. A literatura do Antigo Testamento registra uma interpretação de acontecimentos reais, representando parcial ou exageradamente o significado do evento. Segue-se assim a distinção entre dicta, declarações bíblicas, e facta, fatos históricos. A Bíblia não faz separação. Dicta depende de facta. O objeto de uma teologia bíblica é facta dicta.

O conhecimento da História é racional e está limitado à dimensão temporal-espacial. Por outro lado, o conhecimento da fé, no dizer do Dr. Merval Rosa, é transracional, nem racional nem irracional, não sendo determinada por eventos históricos, mas por Deus, o “Senhor da História”. Esse pressuposto levava os autores …

CONCEITO DE TEOLOGIA

Em postagem anterior defendi que o pastor deve estudar teologia. Agora convido o leitor a continuar a reflexão na tentativa de definirmos o que é teologia e por que existem várias teologias. Para estudar teologia o pastor deverá aprender a definir conceitos e exercitar-se na caracterização das diversas variações do fazer teológico.

A palavra "teologia" é de origem grega e constituída de dois termos específicos: 'teo', Deus, e 'logia', estudo. Uma tradução literal comunica simplesmente “o estudo de Deus”. Ficar apenas nessa explicação é reduzir o sentido e gerar uma definição que inviabiliza a estruturação da teologia enquanto ciência.

Uma vez que Deus não pode ser objeto de investigação científica, a pesquisa teológica deve ser direcionada para a fé em Deus. Esta fé está fundamentada na revelação de Deus registrada nas Escrituras, espelhada na personalidade humana e experimentada na historia da igreja. A teologia, portanto, em sua acepção cristã, é o estudo da …

GOVERNO DE CORRUPTORES

As delações e operações controladas da Política Federal envolvendo os irmãos Wesley e Joesley Batista revelaram que o Brasil nunca se libertou do jugo imposto pelo Governo de Corruptores. Empresários enriquecidos por favorecimento do Estado em troca de pagamentos com o dinheiro do povo a políticos que ambicionam a perpetuação no poder. Empreendendo com recursos públicos, eles elegem candidatos, escolhem ministros e interferem na governança. A corrupção política é transformada em investimento empresarial e até o BNDES transforma-se em banco privado. O que um político corrupto condenado chega a receber por uma semana de “silêncio”, a maioria dos trabalhadores nunca conseguirão com toda uma vida de trabalho honesto. Empresas criam departamentos de propina para interferirem no resultado de eleições e garantirem o retorno em forma de empréstimos, obras superfaturadas ou mudanças na legislação fiscal. Esse é o velho patrimonialismo herdado do Brasil Colônia que ganhou as cores da farsa demo…

A FONTE DE AMOR PARA A FAMÍLIA

Amar é mais do que simplesmente falar – “Ainda que eu fale”. O Amor transcende o conhecimento – “Ainda que saiba”. O Amor é mais forte do que os poderes humanos – “Ainda que tenha capacidades”. Amar não se reduz a mera filantropia – “Ainda que eu dê”. O Amor é a maior de todas as virtudes – “o maior destes”. O Amor é eterno – “jamais acaba”. Procurando mostrar o “caminho sobremodo excelente”, Paulo ensina, em 1 CORÍNTIOS 13, que o Amor supera os dons espirituais e exige um autoexame contínuo ao final do qual a pessoa piedosa descobrirá que não é capaz de produzir por si mesma paciência, bondade, altruísmo, justiça, verdade, alegria, humildade e perdão. Dependerá de uma atitude permanente de abertura do ser para uma fonte superior e inesgotável: o Amor.

A fonte do amor transcende o próprio ato de amar e pressupõe a ação e iniciativa divina. Deus criou o universo para revelar seu amor pessoal. Todas as virtudes começam na pessoa de Deus e em Seu Amor. Temer e adorar a Deus está no iníci…

A MISSÃO EDUCACIONAL DA IGREJA

O imperativo de Cristo no comissionamento dos apóstolos foi “fazei discípulos” (Mt 28:19). No cumprimento desta missão fundamental a ação de “ensinar” deve ser contínua e abrangente. O ensino está entre as funções básicas da igreja ao lado do culto a Deus, do anúncio das Boas Novas, da ministração às necessidades humanas. Além disso, essas outras áreas de atuação da igreja também recebem implicações educacionais. Para o culto, na oração, na música, na pregação. Para a evangelização, no processo de comunicação. Para o serviço social cristão, na aprendizagem prática do testemunho eficaz.

Quando refletimos sobre a missão educacional da igreja, chegamos inevitavelmente a uma constatação: o ensino bíblico tem sido negligenciado ou reduzido na história da igreja em nosso país. Por parte dos católicos, essa missão foi negligenciada e contaminada desde sua origem com interesses políticos ou dogmas de uma tradição antibíblica. Já das primeiras missões protestantes pode ser dito que, p…

UNIDADE: UM MILAGRE DA GRAÇA

A igreja local crescerá unida à medida em que os seus ministérios desenvolverem a cooperação em prol de um propósito comum: glorificar a Deus e abençoar pessoas. Qualquer desvio desta direção gera desigualdade, exclusão e divisão. Quando cada membro vê a si mesmo com parte de um todo e mantém seu foco no bem comum o espaço permanece aberto para o irmão, que é tratado como igual, acolhido e integrado. Em união de propósito e na prática da cooperação a igreja cresce de forma segura e saudável. O serviço na igreja deve ser exercido em mutualidade levando em conta a seguinte realidade teológica: a unidade é um milagre da Graça. Na criação Deus fez dois de um. Na redenção, Cristo faz com que todos sejam um.

O fundamento bíblico está no próprio relato da criação da raça humana. Em Gênesis 1.31 encontramos a ‘espécie humana’ qualificada como “boa”. Já em 2.18 é afirmado que a ‘pessoa humana’ só não era “boa” (towb), apropriada, melhor, excelente. Sozinho ninguém é capaz de refletir plenamente…

O PROJETO PERFEITO PARA A VIDA

Todos os planos humanos são parciais e provisórios pois somente Deus possui a visão total da vida e pode direcioná-la para a perfeição. O projeto perfeito para a vida foi revelado por Deus na pessoa de Cristo. 

Em Efésios 4:13-16, Paulo apresenta o projeto perfeito de Deus para a humanidade na pessoa de Jesus. A mensagem desta carta é a suficiência e a centralidade de Cristo na criação e na igreja. Ele aproveita a sua condição de prisioneiro do Império Romano para contrastar o projeto político de Roma, centralizado em César, com a visão espiritual de domínio universal de Cristo. 

A carta pode ser dividida em duas partes seguindo o esquema da saudação: Graça e Paz. Graça, parte teórica (1-3), trata da totalidade do agir de Deus na criação e especialmente na redenção da humanidade em Cristo. Paz, aplica o resultado da graça como reconciliação com Deus, consigo e com o próximo.
O capítulo 4 começa a parte prática da epístola exortando as igrejas a viverem em unidade rumo ao crescimento que…

CONVITE PARA POSSE