segunda-feira, 7 de novembro de 2016

TEMPO DE MUDANÇA

Depois de um período dedicado a oração, conversas com a família e reuniões com a PIB em Catu-BA decidimos aceitar o convite da PIB em Divinópolis-MG para compor o colegiado ministerial como pastor auxiliar na área de formação cristã. Entendemos que o ciclo ministerial se cumpriu na PIB em Catu-BA e que Deus está conduzindo nossa família para um novo formato de ministério.
Temos recebido muito carinho neste momento e sabemos que é fruto de um relacionamento de amor e serviço ao longo dos últimos seis anos. Agradecemos pela oportunidade de servir, pelo apoio no trabalho, pelo cuidado nos momentos difíceis, pelo carinho com a família.
Deus também nos agraciou com o privilégio de servir ao lado de outros pastores. Aprendemos com o Pr. Lourival Bastos, pastor-emérito. Agradecemos ao Pr. Rogério Souza por ter estado ao lado no início dessa caminhada. E destacamos a amizade do Pr. Jean Santos e Fabiana que tornaram o ministério uma experiência rica e agradável. A permanência deles na igreja fortaleceu a paz em nosso coração.
Continuaremos servindo no ministério da PIB em Catu-BA até 31/12. O culto de ação de graças pelo pastorado está marcado para 17/12 (sábado). Ficaremos muito alegres com a presença dos amigos naquele dia de gratidão a Deus e a todos que fazem parte desta história.


Pr. Petronio Borges, Anamaria, Mariana e Poliana.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

CIDADÃO CATUENSE - DISCURSO DE AGRADECIMENTO


Excelentíssimo Senhor Marinildo Alves Vasconcelos, presidente da Câmara Municipal de Catu-Ba, em nome de quem cumprimento os demais vereadores.
Excelentíssimo Senhor Geranilson Requião, prefeito da cidade de Catu-Ba, que completa hoje 148 anos de emancipação política.

Demais autoridades presentes ou representadas.

Dirijo meu agradecimento primeiramente a Deus, a quem é devida toda honra e louvor, para sempre, pois somente Ele é perfeito e poderoso, e apesar da glória que lhe é devida, se digna em escolher, no meio do seu povo, servos a quem concede o privilégio de ministrar a sua Santa Palavra.

Agradeço ao Vereador Eneias Medeiros, proponente do meu nome para receber o título que hoje me é outorgado por esta Casa bem como a todos os vereadores por terem aprovado a proposta. Como membro da Primeira Igreja Batista em Catu, o irmão Enéias, juntamente com seu pai, irmão Eliseu Medeiros, certamente teve sua generosidade motivada por conhecer o ministério da igreja e saber que foi como seu pastor que estabeleci o meu vínculo com o município e que se não fosse pelo pastorado nela exercido, dificilmente seria alvo deste reconhecimento.

Receber o título de “Cidadão Catuense” é motivo de alegria e honra. No entanto, como cidadão comum, que apenas procura cumprir seus compromissos e viver com dignidade, não estou nem um palmo sequer acima do valor pessoal de cada um aqui. Não tenho laços de sangue nem sobrenome tradicional. Sem nenhuma falsa modéstia, o mérito não está na pessoa e sim no ministério.

Foi pela vocação divina para o Santo Ministério da Palavra que cheguei na cidade para pastorear a PIBCATU. A PIBCATU foi a primeira igreja protestante a ser plantada da cidade, fato que já foi reconhecido oficialmente pelo poder legislativo local. Esse pioneirismo acompanhado da fidelidade histórica aos princípios de sua fundação permite que aquele que a pastoreie, ganhe destaque na vida social do município

Vejo nesta oportunidade uma coincidência que preciso registrar. Minha ordenação ao ministério pastoral também se deu em um mês de junho (21), no ano de 2003. Comemorei também nesta semana treze (13) anos como pastor formalmente ordenado.

Nasci na cidade de Gandu-Ba, sou ganduense de nascimento. Vive em Itamari-Ba até os quatorze (14) anos, mas não sou itamariense. Mudei-me para Jaguaquara-Ba estudar, casei-me com uma jaguaquarense, mas não me tornei cidadão daquela cidade. De lá fui enviado ao Seminário em Feira de Santana-Ba, mas não sou feirense. Depois de formado, morei em Camaçari-Ba para iniciar o ministério, mão não sou camaçariense. Agora, sou reconhecido como “cidadão catuense”.

Cheguei em Catu-Ba no dia 03/01/2011 depois de tomar posse, em 19/12/2010, como presidente da Primeira Igreja Batista em Catu, mantenedora do Colégio Batista de Catu. A PIBCATU completará no próximo dia 29 deste mês, outra coincidência digna de nota, seus 93 anos, comprometida com o ensino da Bíblia, fervorosa na obra missionária e relevante socialmente.

Transfiro a cada membro e congregado da PIBCATU esta homenagem por considerar que é Deus, o Supremo Pastor do seu povo, quem dá pastores segundo o seu coração. Em Jeremias 3:15, lemos: “e vos darei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência”.

O pastorado deve ser exercido com “ciência e inteligência”. Ciência é conhecimento adquirido com esforço. Inteligência pode ser sinônimo de sabedoria. Um pastor recebe sabedoria de Deus, mas desenvolve seu conhecimento através da busca pessoal. Gosto de pensar que o pastor precisa pastorear “com ciência” e também deve ter consciência. Consciência de Deus e de si, consciência da missão pastoral. Creio que a função pastoral é a única capaz de cuidar do ser humano em sua integralidade, derivando daí sua importância para a comunidade. Procuro ter esta consciência diante da homenagem que recebo desta Casa de Leis.

Ao finalizar, destaco a importância da família tanto na minha vida como no ministério que desempenho.

Agradeço a minha esposa, Anamaria, que neste momento está cuidando na nossa segunda filha, Poliana, com apenas 16 dias.

Agradeço à nossa primeira filha, Mariana, cujo brilhos nos olhos é um sinal diário da graça de Deus em nossa família.

Agradeço aos meus pais, Petronio e ‘Nide’, pelo amor e dedicação em todo o tempo, sendo uma prova do cuidado de Deus para comigo.

Agradeço às ovelhas, aos amigos.

Agradeço a todos os presentes,

Deus continue abençoando cada um de vocês.

Muito obrigado.

sábado, 25 de junho de 2016

TÍTULO DE CIDADÃO CATUENSE


Ao tempo em que agradeço pela homenagem a mim concedida pela Câmara Municipal de Catu-Ba, atribuo automaticamente a honra do título recebido à Primeira Igreja Batista.
O meu vínculo com a cidade se estabeleceu a partir da posse no pastorado da igreja e a oportunidade de exercer nela minha vocação permitiu que tão cedo, menos de seis (06) anos, me fosse outorgado.
A PIBCATU, como primeira igreja protestante do município bem como sua penetração na vida social da cidade através da presença de seus membros em diversos seguimentos, leva o seu ministério pastoral ao reconhecimento da sociedade local.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

VIDA - GRUPO TAUATÓ




VIDA - GRUPO TAUATÓ
Flávio Regis/Jader Gudin

É tão lindo
o sol nascendo
Na paisagem da minha janela

Iluminando,
dando cor à vida
Acariciando a perfumada flor.

E do silêncio
uma suave brisa
A doce música da criação

Ao mesmo tom
preenchendo a sinfonia
Um passarinho a procurar o pão

Olhai, quanta perfeição
Meu Pai, vem das tuas mãos

Toda vida manifesta o teu poder
Grande paz irá permanecer

Olhou,
viu que era bom.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

CRISE TEMERÁRIA

A partir de hoje e por até seis meses o Brasil passa a ter dois presidentes. Enquanto Dilma desce a rampa do Planalto para defender-se no processo instaurado pelo Senado, Temer troca a cadeira de vice pela posição histórica de presidente não-eleito. Temer não é a solução para a crise porque a crise é temerária. Ele foi o principal operador da oposição para aproveitar a perda gradativa de apoio politico do governo Dilma. Para tanto aliou-se a Eduardo Cunha, afastado da presidência da Câmara por ser réu no Supremo Tribunal Federal e a Aécio Neves, investigado pela Operação Lava-Jato. Se o objetivo de Temer era oferecer o mínimo de previsibilidade econômica ao mercado financeiro diante do caos econômico gerado pelos governos petistas, ele não conseguiu dar sinais de que o seu governo paralelo ou tampão será diferente. Os partidos aliados não permitirão que os notáveis atravessem a ponte para o futuro. A crise econômica tem um fundo político e a corrupção generalizada é a causa original da instabilidade que coloca em risco tanto o setor público quanto o privado. Essa corrupção é política mas também empresarial. E o próprio Temer foi citado na Lava-Jato por suspeita de corrupção além de ter um pedido de impeachment análogo ao de Dilma com determinação liminar do Supremo para ser apreciado na Câmara. Temer será um presidente provisório sem a legitimidade do voto que igualmente dependerá de uma coalizão fisiológica a ser formada com a mesma fragmentação política ante a qual o PT sucumbiu. O seu alardeado projeto ético e técnico com medidas de austeridade e eficiência já nasceu comprometido pelo próprio histórico clientelista de uma base com dez partidos além dos nanicos. Para superar essa crise o Brasil não deve temer; precisa cobrar a antecipação das eleições presidenciais e deixar manifesto o inconformismo tanto com a corrupção do PT quanto com o governo temerário que o substituiu.

sábado, 7 de maio de 2016

É NELE! - STÊNIO MARCIUS




É nEle que que nos movemos
Vivemos e existimos
É nEle, é nEle
Se amo, falo, choro ou canto
É nEle que tudo acontece
É nEle, é nEle

Batidas do meu coração
Dependem desse Maestro
E até o ar que eu respiro
É Ele mesmo quem me dá

Em volta da mesa com os meus
Celebro com vinho a vida
É Ele quem dá gosto a tudo
Com Ele a alegria sempre está.

É nEle que eu descanso
Pois sei em Quem tenho crido
É nEle, é nEle
Fui salvo por Sua graça
Eu trago comigo esta glória
É nEle, é nEle

Arrasto por onde vou
Correntes de amor eterno
E grito ao universo inteiro 
Quem d'Ele vai me separar?
Silêncio na terra e no mar
Silêncio nos mundos distantes
Pois nada me arranca dos braços 
Daquele que me amou primeiro!

sábado, 16 de abril de 2016

MURO NA ESPLANADA

Pela segunda vez em menos de trinta anos (1992-2016) a jovem democracia brasileira lança não de um dos seus instrumentos mais radicais, embora constitucionalmente previsto. O debate político entre governo e oposição na Câmara sobre a admissibilidade do impeachment divide o salão verde entre esquerda e direta e é acompanhado do lado de fora por manifestantes divididos pelo muro metálico de um quilômetro ao longo do gramado da Esplanada dos Ministérios. Outro muro, o da intolerância, vem crescendo desde a última eleição presidencial. Independente do resultado de amanhã, o Brasil precisa derrubar esse muro e convergir em torno de um projeto de saída para a crise. A liderança de tal projeto não está em nenhum dos lados do muro, muito menos em quem escolheu ficar em cima dele. O povo tem sinalizado tanto nas ruas quanto nas redes sociais que o impedimento da presidente Dilma com a substituição pelo vice Temer pode agravará a crise política e econômica. Nem uma nem outro reúne as condições mínimas para unir a Nação. Somente uma antecipação das eleições gerais previstas para 2018 devolverá ao povo o protagonismo desse processo. Mas a carência desse momento histórico continua sendo de um nome que conjugue a legitimidade institucional, o carisma popular e a capacidade de articulação da governabilidade.

sexta-feira, 18 de março de 2016

O JUIZ E AS RUAS

Quando as ruas hostilizam políticos como oportunistas e aclamam um magistrado como "Salvador da Pátria" é porque já chegamos ao ponto mais grave da crise institucional pela qual passa o Brasil. Depois da equivocada condução coercitiva do ex-presidente Lula, o juiz Sergio Moro revelou a motivação política por traz da Operação Lava-Jato, que já vinha sendo questionada por conta dos vazamentos seletivos e agora prede credibilidade em função da divulgação ilegal de escutas telefônicas envolvendo a Presidente. Essa politização do judiciário consegue ser mais ameaçadora à democracia do que a judicialização da política. O uso ideológico do messianismo, tão enraizado na cultura brasileira, extrapolou as raias da política partidária e alcança o Poder Judiciário, fabricando heróis midiáticos. Primeiro, Joaquim Barbosa, no episódio do Mensalão. Agora, o Rei da República de Curitiba. Se rejeitamos esta visão superficial e leviana, própria da narrativa político-partidária, que inventa salvadores a partir de personalidades carismáticas, muito mais devemos ficar preocupados quando as togas se transformam em mortalhas no carnaval midiático; quando homens da justiça se deixam seduzir por flash ou close e perdem o senso da missão, que deve restringir-se aos limites da legalidade.

domingo, 6 de março de 2016

OPOSIÇÃO SEM POSIÇÃO

Diante do retorno de Lula ao palanque, de onde as oposições não desceram, os partidos liderados pelo PSDB e setores do PMDB, intensificam a articulação para antecipar 2018. Lula é o maior líder popular do Brasil e se tornou um símbolo nacional. Agora, a sua vitimização se torna a única estratégia de mobilização da militância do PT. O PT, que fez da oposição sua escola de guerra, sabe que o ataque é a melhor defesa e começa a armar o contragolpe. Enquanto isso, o país caminha para a depressão econômica. O governo Dilma é incompetente e incapaz de unir as forças políticas, nem mesmo em sua base. Contudo, o mais preocupante é saber que a oposição se mostra sem posição e faz da alternância de poder seu único projeto. Qual a proposta para o combate à corrupção? O que se propõe para tornar o Estado mais eficiente? Existe um projeto de Nação? O PT, enquanto era oposição, respondia eloquentemente a esses questionamentos. Uma vez na situação, preservou a retórica, mas perdeu a credibilidade. Nem assim a oposição foi capaz de ir além do ressentimento. Com as principais lideranças também sendo investigadas ou na condição de réus, perderam a oportunidade de apontar um caminho diferente.