terça-feira, 24 de maio de 2016

CULTO AGRADÁVEL AO SENHOR

"Abel, por sua vez, trouxe as partes gordas das primeiras crias do seu rebanho. O Senhor aceitou com agrado Abel e sua oferta". (Gênesis 4:4)

O culto prestado por Abel é o primeiro registrado na Bíblia. Em todo o Antigo Testamento estabelece -se o princípio da centralidade de Deus na adoração. Esta característica é continuada e intensificada no Novo Testamento. A formação do povo de Israel na adoração mostra que o caminho proposto por Deus é o da integralidade partindo da devoção pessoal para a celebração pública, do secreto do quarto para a festa da comunidade. A vida do adorador condicionará a qualidade do culto. O sacrifício oferecido por Abel prefigura a obra de Cristo que apresentou sua vida como oferta pelo pecado do homem para reconciliá-lo com o Pai. A partir da perfeição do sacrifício de Cristo, o cristão pode adorar. Cristo habita no crente e sua presença perfeita permite que Deus aceite o culto integral da vida que se expressa liturgicamente na comunhão de adoradores. A vida é aceita em Cristo e, por isso, o culto torna-se agradável a Deus. Toda oportunidade de adoração coletiva deve servir para uma avaliação interior da qualidade do culto prestado através dos nossos pensamentos, palavras, ações e atitudes. Deus dirige seu olhar para o todo: adorador-adoração. Ele busca adoradores que o conheçam e sejam sinceros. Mas, o que parece complexo e inatingível se resolve na simplicidade da vida "em Cristo". Sabendo que Cristo é o sacerdote, a oferta, o altar, o templo e o próprio Deus, vivendo nEle estaremos sempre comprometidos com o culto integral e agradável.