quinta-feira, 25 de julho de 2013

FAMÍLIA: DO CAOS PARA DEUS

Foto: O amor não envelhece, permanece.

O Deus Eterno parece preferir uma ação na história que segue a direção do caos para o cosmos, de uma condição de autodestruição para a esperança de salvação. Com relação à família também percebemos esse modo de agir.


Abraão é chamado para a constituição de um povo através do qual Deus se revelaria plenamente em Seu Filho. Na Mesopotâmia, a poligamia era uma prática comum, mas Deus estabeleceu para Israel um princípio salvador: o casamento monogâmico, duradouro e indissolúvel. A descendência do Patriarca é convidada a conhecer a revelação de Deus através desse modelo de casamento.

Se for possível resumir, nos dois testamentos, a mensagem central da Bíblia para a família, diríamos que, no Antigo Testamento, a família é uma instituição divina que encontra no casamento sua base. Já o Novo Testamento apresenta a família de Jesus como modelo para todas as famílias.

Especialistas de diversas áreas discutem a definição de família e parece haver o consenso em torno do que se pode chamar de conceito dinâmico de família. Evita-se a definição por laços de sangue ou registro civil e caminha-se para o entendimento de que é família quem compartilha de vínculos de intimidade doméstica.

Essa compreensão, quando parte do pressuposto de que a família é resultado da evolução histórica das sociedades, por razões econômicas ou instintos da espécie, abre possibilidades para se aceitar qualquer formação familiar, inclusive homossexual ou poligâmica.

Por outro lado, assumindo como pressuposto a Autoridade e a Suficiência das Escrituras, a família é definida pela ação divina na Criação, do homem e da mulher, sendo sua constituição mais fundamental, o casamento. 

"Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne" (Gênesis 2:24). 

Jesus retomou este princípio quando ensinou acerca do divórcio: 

"Ele respondeu: "Vocês não leram que, no princípio, o Criador ‘os fez homem e mulher’ e disse: ‘Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne’? (Mateus 19:4-5)

No entanto, mesmo tendo constituído a família a partir do casamento entre homem e mulher, até sua dissolução pela morte, base da nação de Israel, Deus age sempre do Caos para Si, atrai para Ele mesmo o que é autodestrutivo, chama o que se perdeu, para uma vida plena e satisfeita nEle. 

Na plenitude dos tempos, Deus revelou de forma completa Sua Vontade para todas as famílias da Terra. 

"Mas, quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo da lei". (Gálatas 4:4). 

Seja qual for a constituição da sua família hoje, olhe para a família de Jesus e veja o que Deus planejou para todos nós.

Há quem decida ver nas contradições e vícios da chamada "família tradicional" o seu atestado de falência. A Bíblia, por outro lado, além de não esconder a sujeira embaixo do tapete da vergonha, deixa claro que a salvação da família está exatamente nesse movimento que leva do caos para o próprio Deus. 

Os exemplos de mentiras, traições e fracassos registrados nas Escrituras confirmam que só existe uma possibilidade de saúde e integridade para a família: Deus. Basta percorrer as entrelinhas da própria genealogia de Jesus para constatar que o propósito de Deus era fazer da família de Jesus, ou de Jesus numa família, a salvação da humanidade. 

Na Bíblia a família é definida assim: uma instituição divina que tem na experiência de Jesus seu modelo por excelência.

Por isso, convido você, que assim como eu, não foi criado numa família perfeita, nem constitui uma família perfeita (simplesmente porque não existe família perfeita) a crer e celebrar o fato de que Deus está levando nossas famílias do caos do pecado e da morte para Ele mesmo. Ele é a fonte de integridade e alegria perene para nossas famílias.